Eu estava almoçando quando o telefone vibra.
Era meu sobrinho no whatsapp pedindo que eu fosse buscá-lo na esquina de casa. Na mesma hora respondi que estava almoçando, que ele estava perto de casa e poderia vir a pé sem problemas. Ainda mandei ele deixar de ser preguiçoso! kkk
No que ele me responde com uma foto:
Nem preciso dizer que larguei a comida no prato e fui buscar o menino né? kkkkk 
Apenas 12 anos de idade e já sabe como convencer a dinda das coisas! E o melhor de tudo, já tem faro pra enxergar potencial nos garimpos da vida! Que orgulho!
….
A poltrona encontrada na caçamba pelo sobrinho estava com estrutura em perfeito estado, apenas seu estofado estava velho e esgarçado… Nada que não pudesse ser resolvido. Penso que seu ex-dono não foi um cara inteligente em descartá-la assim tão fácil. Tudo pode ficar mais bonito gente… Tudo!
Por alguns dias mantive a poltrona largada num canto da sala, sem tomar uma atitude para transformá-la. Pensei que como garimpei-a no lixo, portanto saiu de graça pra mim, poderia investir num estofador profissional e coisa e tal. Mas cadê que eu aguento esperar?
Resolvi então ver como eu me sairia fazendo o primeiro estofamento de móvel da minha vida! (Já consertei muito assento de cadeira, mas aí é molezinha né?
Fiz algumas fotos do processo, que durou mais ou menos umas 2 horas:

Primeiro tirei o fundo da poltrona para poder acessar os parafusos e desmontar a cadeira. Já com os braços desmontados comecei a quebrar a cabeça de como faria pra estofar uma poltrona cheia de curvas. 
Na boa, se você quer um acabamento top de linha, nem comece. É muito difícil estofar sem a ajuda de uma máquina de costura (eu tenho mas não sei usar) e sem fazer o molde das partes laterais, frontal e traseira da poltrona. Como vi que não sairia perfeita, tratei de relaxar e entendi que qualquer mudança eu já estaria no lucro.
Então fui estofando como se estivesse encapando a poltrona, puxando daqui, esticando de lá e grampeando dobras e dobras de tecido como se não houvesse amanhã. kkk
Muitas vezes pensei em desistir mas meu pai me incentivou com suas sábias palavras: “Minha filha, essa é só uma cadeira que você achou no lixo e um pedaço de pano, você não tem nada a perder!”
Meu pai sempre tem razão!

Fala sério gente!!! Valeu ou não valeu minha ousadia de tentar heim?
Tô até agora orgulhosa do meu trabalho, cheio de imperfeições é claro, mas que prova que quando a gente quer uma coisa não tem medo que segure! 
Olhando de perto dá pra ver que o lance foi amador, mas quem se importa? 🙂

Para estofar uma cadeira como essa é preciso ter, além de força de vontade, um grampeador de tapeceiro (Rocama para os íntimos), grampos para o grampeador, tesoura para cortar o tecido, martelo para reforçar as grampeadas e alicate pra arrancar algum que tenha entrado errado. E só.
Quer um trabalho nos trinques? Contrate um profissional! O estofamento para uma poltrona como essa sairia numa faixa de 300 reais (sem o tecido).
E aí? Valeu ou não valeu a economia? 🙂

Comentários

Comentários