O primeiro post do ano PRECISA começar desse jeito: 
Feliz 2013 galeraaaaaaaaaa!!!! 
Que este ano novo represente, de verdade, uma nova etapa, um novo ciclo e uma nova história! Que a gente possa continuar fazendo tudo o que ama e ainda consiga colocar coisinhas novas no “pacote” realizando todos os sonhos que a gente costuma guardar no fundo da gaveta. Enfim, que a cima de tudo, a gente continue seguindo com VONTADE, e que o combustível pra isso seja sempre o de sempre: Amor! 
. . .
E pra começar 2013 com o pé direito e com tudo de bom que temos direito, que tal conhecermos gente nova? Hoje o Decorviva traz pra vocês a história do lar doce lar do Enderson e da Tatiany, um casal apaixonado que mora em Teresina no Piauí e que escolheu o blog para mostrar e contar como estão transformando seu ninho (e suas vidas) ao decorarem com todo o carinho do mundo. Temos muitas coisas bacanas pra aprender com eles gente. Pode acreditar! 
Com a palavra, Enderson! E ele sabe muuuito bem o que diz 🙂 (Em destaque, você lê meus pitacos, afinal de contas, se eu não metesse o bedelho não seria eu né? kkkk) 
“Sou Enderson Vasconcelos, 26 anos, servidor público, moro com minha namorada, 26 anos, advogada e professora em cursos superiores. Sou pernambucano, ela piauiense, por isso a escolha de morar em Teresina. Gostos diferentemente iguais. (Adorei essa frase!) Por termos estilos e referências diversas, apenas um estilo nos permitiu o acordo, algo contemporâneo. 

Não acho que esteja tudo pronto e acabado, mas passei a aceitar o processo de modificação e aperfeiçoamento constante. (Sábia decisão, Enderson!) 

O apartamento conta com apenas 50 metros quadrados, adquirimos na planta para morar juntos. Um ano e meio de espera para a entrega, e mais um ano de trabalho para chegar ao estágio atual. Antes deste tempo já começamos a reconhecer aquilo que era, ou não, adequado esteticamente e funcionalmente para a decoração. Nós somos formados em Direito, então era necessário aguçar o senso estético para ficar algo aceitável. (Além de ter bom gosto, ainda é modesto 🙂

Comecei a “consumir” diariamente vários blogs de decoração (Eba! Igualzinho a mim!). Sempre dei preferência para algo tangível e real, como o Decorviva, e outros do ramo! Talvez por você relatar o seu processo acabou por despertar esta empatia. (Ahhh, que fofo! Já disse que amo vocês hoje?) Junto vieram as revistas, Casa Cláudia para sonhar, Minha Casa para realizar. Depois vieram os livros. Comprei um de design de interiores com informações técnicas (ergonomia, iluminação, cores, objetos). Munido de um conhecimento novo, sempre mantendo o acesso aos blogs e Pinterest, fui formando na minha cabeça uma concepção abstrata, uma “sopa primordial” de como seria o apê. (Nossa, tô amando tudo. Conta mais, conta mais!) 

A primeira decisão concreta foi quanto à cor das paredes. Deveriam ser brancas. Definitivamente. Mas agora me pergunto se não deveriam ter sido cinza. A escolha do branco deve-se a duas coisas. Primeiro, o apartamento fica em Teresina, o que dispensa comentários quanto ao calor exuberante e incansável. Segundo, as paredes brancas deveriam ampliar o ambiente, vendo outros apartamentos do prédio até acredito que isso seja verdade. (Gente, na boa, acho que o Brasil vai perder dois advogados e ganhar novos Designers de Interiores 🙂 

A segunda decisão foi a paleta de cores. Adoro o contraste e o conflito, acho estimulante. Visualmente o amarelo e o roxo acabaram nos cativando. (Amo!) Nunca havia visto a composição antes, até que observei uma imagem em um blog com esta paleta. O amarelo é estimulante, o roxo é tranqüilizante e acolhedor, do que mais seria preciso? Do cinza para pano de fundo, vários tons de cinza, mas não cinqüenta. (kkkkkkkkkkkkkkkk) Estava decidido, branco, cinza, amarelo e tons de roxo (a cor quase intangível). 

Trocamos o piso cerâmico 30×30 por outro 45×45 em branco fosco. Rejuntes com 3 mm em cinza para dar a sensação de amplitude e continuidade. (Dica esperta!) Na cozinha optamos por um painel de vidro adesivado em detrimento dos azulejos hidráulicos. A iluminação não permitiu muita coisa. 

Consultando blogs e sites, encontrei uma indicação de revista de decoração para Ipad. Adoramos a revista e encontramos lojas desconhecidas. Lá conheci o papel de parede que amamos. Cinza e toques sutis de amarelo, perfeito. Não havia dúvida, tinha que ser ele. Então adquirimos o papel de parede direto de Londres. (Que coisa mais linda esse papel de parede Enderson! Fiquei completamente apaixonada!!! Mande os contatos pra gente?) 

O sofá precisava reunir as cores da paleta escolhida, mas que trouxessem textura extra à composição. A escolha foi uma almofada de fita amarela e uma vinho/uva, não tinha tecido roxo. (Almofada é TU-DO!)

Nesse tempo já havíamos escolhido duas coisas, sofá e mesa. Alguma peça deveria ser laqueada em amarelo, e seria o rack. Para nossa tristeza o marceneiro não passou segurança em realizar o serviço nos moldes que desejamos, indicou problemas futuros que iriam surgir e então desistimos. Em visita a uma loja que fabrica ela própria os móveis, encontramos a mesma mesa no showroom, laqueada, branca. Adoramos o design, e perguntamos por um amarelo vivo, e ela confirmou a possibilidade. O sofá seria roxo. Percebi que não há roxo suficiente no mercado, devem existir uns 500 tons de roxo, todos parentes distantes. Substituímos por um sofá modular em camurça cinza médio/escuro. Acabou sendo a melhor escolha, pois evita o engessamento da decoração. A intenção era adquirir peças que seja possível levar para qualquer outro apartamento no futuro e compor perfeitamente com outros elementos. (Um acerto atrás do outro, estão de parabéns meu casal 20 favorito! Rs) 
O desenho do rack deveria ser criação minha. Mas acabei achando um melhor na internet. Para minha surpresa, não entregava em Teresina, talvez por ser longe de mais do Brasil. (Figura!) Adaptei algumas coisas, o marceneiro sugeriu outras bastante pontuais, como o fundo recuado para esconder os fios, e estava pronto o meu rack. 


Como centro da mesa não queria nada tradicional, deveria ser algo descolado, que criasse um contraponto a mesa e chamasse atenção. Nada melhor que um crânio, a dificuldade seria encontrar um roxo. Etsy serve para isso! Encontramos uma loja que fazia os crânios em várias cores, inclusive roxo, e entregava no Brasil. Depois de comprar e esperar dois meses (imagina se estivéssemos ansiosos), o crânio chegou com manchas róseas em várias partes. Entrei em contato com o fabricante. No dia seguinte outro crânio havia sido enviado sem qualquer custo adicional. Chegou perfeito. (Mandaram muito bem!!!!) 
Os quadros foram comprados na internet, na Tanlup, na Urban Outfitters e na Society 6, outros virão aos poucos. (Amo, amo e amo!) 
Para destacar a mesa e integrá-la com o crânio precisávamos de um cinza de fundo. Também precisávamos de uma cortina para proteger a mesa do sol (que mora a duas quadras do apartamento). Como o sofá era camurça pensamos em alguma outra textura, a primeira escolha foi o linho. Na IKEA havia uma cortina de linho cinza, do tamanho necessário. Pronto. Compramos. (Vixe Maria, tô impressionada e orgulhosa demais desses dois!) 

Na cozinha a escolha inicial foi de um armário que trouxesse amplitude, fosse enxuto, e coubesse de preferência só o necessário. (Excelente raciocínio!) Com linhas retas e em um branco fosco foi possível fazer com que ele interferisse o mínimo possível, uma escolha que se deu inclusive por ser a cozinha no estilo “americana” (não sei de onde tiraram isso). (Nem eu, mas vou pesquisar!) Assim, uma ou outra peça/adorno, poderia servir de destaque. Para isso escolhemos peças em amarelo, com toques bem sutis. 



No pano de prato, em uma caixinha, em um copo, em uma escada ex-branca pintada de amarelo com tinta spray. Como os eletros são habitualmente brancos com toques em cinza, a composição ficou harmoniosa ao utilizarmos o painel de vidro na pia adesivado de cinza, criando um intervalo entre as duas partes brancas do armário. (E, além disso, podem escrever recadinhos com caneta de quando branco nesse painel, adorei!) 

Esse é o nosso trabalho em construção, inacabado propositadamente, uma “tela em branco” para nos permitir a continuidade da criação”. 

. . .

Olha, não sei se eu preciso dizer mais alguma coisa diante de tantas escolhas bacanas e conscientes que o Enderson e a Tatiany tomaram na décor de seu apê. Mas como eu disse, adoro um pitaco e vou dizer mesmo assim: Vocês arrasaram!!!! Tudo muito lindo, de bom gosto, criterioso e acima de tudo, lotado de muito carinho e cuidado! Isso faz toda a diferença na hora de montarmos nosso cantinho no mundo. Orgulho é pouco pra definir a alegria de ter leitores tão especiais e com o coração tão aberto a ponto de dividir suas conquistas com a gente. 
Desejo tuuuuuudo de melhor nessa vida pros dois e que esta “tela em branco” que eles estão começando a “pintar” nunca fique de fato preenchida. Assim, a parte mais gostosa que é a construção de um lar durará para sempre. 
Emocionei! 🙂

Comentários

Comentários